A felicidade e o presente

A felicidade e o presente

Você já pensou no que te faz feliz? Será conseguir realizar um sonho? Encontrar alguém para amar e que te ame? Esquecer um amor fracassado? Comprar coisas que te farão ser mais bem visto socialmente? Fazer uma viagem? Enfim… o que te falta?

Bem, o que te falta é uma pergunta que traz em si um paradoxo. Podemos pensar no que te falta por que ainda não realizou, e podemos pensar no que te falta para realizar. Ou ainda o que é essa falta que te atormenta todo o tempo, falta que sempre te lembra da sua condição humana. Esta nunca será suprida. Nosso tempo é finito e a falta é o que nos faz caminhar, buscar, realizar.

Pensando no tempo, agimos como se tivéssemos certeza de que jamais morreremos. Jogamos nosso tempo fora. Não valorizamos nosso presente.

Só para ilustrar um pouco no que estou pensando, conto-lhes que, desde Taylor, que fracionou o trabalho em pequenas atividades e as cronometrou para otimizar a produção, nosso tempo é cada vez mais, menos nosso. O tempo é marcado pelo apito das fabricas, pelas necessidades dos negócios para os quais vendemos nossa força de trabalho. Perdemos o controle de nossas vidas. Perdemos o controle de nosso tempo.

Dessa maneira, o tempo está cada vez mais escasso para nos ocuparmos de nos mesmos. Além do que, tornou-se um pecado mortal, usá-lo com coisas que não são consideradas como produtivas numa sociedade capitalista.

A maioria de nós, está focado no futuro e sonhando com o dia em que conseguir uma casa nova, um amor, uma conta polpuda, passar no concurso do tribunal, pois, aí sim, você pensa que será feliz.

Já pensou que isso é uma ficção?  Já pensou que está se enganando? Sabe por que?

Nada disso te pertence. O futuro você não pode prever. O fato é que a maneira como   estás caminhando para esse futuro que você acredita que será o melhor, está tendo um preço muito alto. O preço é o seu presente, a sua vida.  A possibilidade de viver essa felicidade hoje mesmo.

Então vejamos.

Do que você precisa? Hoje, agora?

O que você sente? Como estão as suas relações? Seu lazer? Sua satisfação com seu trabalho? Voce está vivendo de acordo com aquilo que te faz bem? Voce se sente bem? Voce ama? É amado/amada? 

Pois é, caros leitores.

O único tempo que está à nossa disposição é o presente.

Se nosso olhar está focado em outro tempo, um tempo que será, o que veremos do que está a nossa disposição para que possamos viver o melhor em nossas vidas, agora? Mesmo o futuro só será melhor se, hoje, vivermos o nosso melhor, com saúde, amor, motivação, alegria e consciência.

Fique atento ao seu dia -a- dia. Observe-se!

Quando você toma o café da manhã, o que? Voce não toma café da manhã? Voce gosta de tomar o café da manhã? O que você pode fazer, hoje, para ter esse prazer na sua vida?  O que manejará em seu tempo para se dar esse momento?

E os seus filhos? Qual é a idade deles? Voce não se lembra? Quando foi a última vez que esteve com eles? Brincou, saiu, riu, sentiu o seu amor?  O que você mudará nas suas prioridades para estar com eles? Vê-los crescer e participar desse tempo?

E o namoro? O casamento? Como vão? Voce não tem ninguém? Seu casamento está ruim? Já pensou nas razões? Te falta tempo para se divertir? Para estar com seu amor? Encontrar com amigos? Ir a um cinema? O que você faz para criar a possibilidade de conhecer alguém por quem possa se interessar?

Se você está dando desculpas para responder essas perguntas, atenção.

O tempo está passando e não volta mais. Sua felicidade está aqui, agora, nas pequenas coisas que você valoriza e promove na sua vida.

O que te falta é a falta que você se faz. Pense nisso!

Se precisar de ajuda, me procure.