Uma boa sessão de coaching

Uma boa sessão de coaching

 UMA BOA SESSÃO DE COACHING

 

Antes de qualquer coisa, para que uma sessão de coaching aconteça, deve haver a demanda de um cliente que queira mudar algo em sua vida. Sem o desejo do cliente não há por que.

A explicitação desse desejo e sua transformação em metas é uma das fases do trabalho do coach. Através de perguntas, ele proporciona ao cliente a oportunidade de se ver e a buscar novas respostas para perguntas que sempre respondeu dentro de um padrão repetitivo e que o mantiveram no lugar do qual agora ele poderá sair. O coaching é um processo de mudança de um estado para outro, traduzido aqui pelo objetivo que o coachee deseja alcançar.

É um processo de co-criação entre coach e coachee. Momento de intensa troca de energia, ideias e sugestões. Momento de conexão entre duas pessoas num nível mais profundo, formando um campo relacional. “Se unem duas energias para construir a resposta de um, onde só existe a verdade”. Estado de empatia do coachee e coach. Momento de deixar o controle de lado, os julgamentos, de acessar ao lugar onde existem todas as respostas.   O coachee deve sentir-se em um ambiente confortável e seguro para se abrir, para dizer o que precisa ser dito. Nessa relação não há hierarquia, nem julgamentos das questões e posições do coachee.

O coach deve assegurar ao coachee a completa confidencialidade sobre quaisquer coisas que ele diga em suas sessões.

Só o cliente pode se dar a conhecer. É preciso que ele se sinta sinceramente ouvido e acolhido, que sinta que há um real interesse por parte do coach por sua história. Que nada é mais importante naquele momento do que o que está acontecendo entre eles.

Assim num processo de descobertas e mudanças, o coachee apoiado pelo coach, descobre seus próprios recursos o que lhe possibilitará mudar de dentro para fora, de acordo com seu mapa de mundo, suas crenças, valores e experiências. O coaching é um processo de aprendizagem em que mudamos nosso lugar de observador. Podemos ver as coisas importantes para nós de outro ângulo o que fará toda a diferença para a efetivação de transformações em si e em sua vida.

Estabelecida a conexão com o coachee, o coach deve ajudá-lo a explicitar, através de uma escuta ativa, qual é o seu estado atual. Uma vez que esteja claro quais são os aspectos que o cliente considera como importantes para que as coisas em sua vida estejam como estão, o coach poderá então definir, com ele, o estado a alcançar.

Essas metas ou meta devem ser mensuráveis e alcançáveis, senão o processo fatalmente desaguará em fracasso.

O coach deverá acompanhar e dar feedbacks constantes ao seu cliente de forma a apoiá-lo, mantê-lo focado em seu objetivo, e não o deixar sucumbir diante de alguma dificuldade que encontrar para realizar as tarefas com as quais se comprometeu ou qualquer outra situação.

O patrocínio positivo é uma das técnicas a serem efetivamente utilizadas pelo coach de forma sincera, para fortalecer as características positivas do cliente, leva-o para um estado mental positivo e receptivo, favorecendo para que ele contribua espontaneamente para o seu desenvolvimento.

A manutenção do foco é fundamental para o processo, o que vale tanto para o coach quanto para o coachee. O foco permite a ambos perceberem as conquistas do coachee, possíveis desvios de rumo e o devido realinhamento que deve ser feito, assim como, a concentração de energias no objetivo. O foco garante a ação com resultados.

No desenrolar do processo, o coach e o coachee fazem um pacto, em que ambos se comprometem a dar o melhor de si para o sucesso do processo. Podem acontecer fatos que colocam em questão o efetivo cumprimento desse acordo, ao que o coach sempre atentará e o que deverá ser objeto de intervenção para que mude ou até se interrompa o processo.

A cada sessão o coach deverá avaliar e planejar qual (ais) ferramentas irá utilizar naquele dia de acordo coma necessidade e momento do coachee.

É importante para o coach que prepare a sessão seguinte com base em suas anotações sobre o cliente e suas leituras do material trazido por ele.  As ferramentas devem ser adequadas àquela sessão, o que não significa que o coach não possa mudá-lo. Podem acontecer coisas com o coachee ao longo da semana que exijam que os planos sejam mudados.

O coach acompanha seu cliente dando suporte, fazendo perguntas e interagindo com ele através das ferramentas e do seu progresso, o apoio é dado como suporte para as escolhas, ações do cliente e um feedback sincero e positivo.

Nesse ponto, destacamos a importância da escuta do coach, sua flexibilidade e formação para um atendimento de qualidade. O coach deve usar dos meios que tem para fazer uma leitura mais profunda do seu cochee de maneira que sua tônica e condução do processo proporcionem o melhor ao seu cliente. Esse melhor se traduz em resultados, em mudanças pessoais e situacionais.

O próximo passo na sessão é que o coach convide o coachee a uma reflexão sobre o que aprendeu naquele dia, naquele encontro, o que significou para ele.  Esse feedback ajuda ao coachee a perceber as mudanças que vem processando e seus resultados, o que o motiva a continuar e reforça sua capacidade de realização, além de sua autoestima. Pode acontecer que o cliente não veja nada de positivo na sessão. O coach deve então ressignificar a sua resposta, buscar encontrar o lado positivo de sua experiência. A ressignificação é um caminho para ajudar ao cliente a ver o que as experiências que considera negativas em sua vida, agregaram ao que ele se tornou hoje, avaliado com foco no que há de positivo e na sua leitura da experiência a partir de sua representação atual dos fatos.

E, finalmente, a definição de tarefas para que através da ação, o coachee vá construindo o caminho para chegar ao resultado que deseja. Ele deverá desenvolver ações especificas e focar em sua realização. O coach faz um combinado com seu cliente para que possa acompanhar de perto a realização das tarefas.

Chega a hora da desconexão. Nesse momento, o coach e coachee se despedem, se desconectando um do outro e da situação.