Uma boa sessão de coaching

Uma boa sessão de coaching

 UMA BOA SESSÃO DE COACHING

 

Antes de qualquer coisa, para que uma sessão de coaching aconteça, deve haver a demanda de um cliente que queira mudar algo em sua vida. Sem o desejo do cliente não há por que.

A explicitação desse desejo e sua transformação em metas é uma das fases do trabalho do coach. Através de perguntas, ele proporciona ao cliente a oportunidade de se ver e a buscar novas respostas para perguntas que sempre respondeu dentro de um padrão repetitivo e que o mantiveram no lugar do qual agora ele poderá sair. O coaching é um processo de mudança de um estado para outro, traduzido aqui pelo objetivo que o coachee deseja alcançar.

É um processo de co-criação entre coach e coachee. Momento de intensa troca de energia, ideias e sugestões. Momento de conexão entre duas pessoas num nível mais profundo, formando um campo relacional. “Se unem duas energias para construir a resposta de um, onde só existe a verdade”. Estado de empatia do coachee e coach. Momento de deixar o controle de lado, os julgamentos, de acessar ao lugar onde existem todas as respostas.   O coachee deve sentir-se em um ambiente confortável e seguro para se abrir, para dizer o que precisa ser dito. Nessa relação não há hierarquia, nem julgamentos das questões e posições do coachee.

O coach deve assegurar ao coachee a completa confidencialidade sobre quaisquer coisas que ele diga em suas sessões.

Só o cliente pode se dar a conhecer. É preciso que ele se sinta sinceramente ouvido e acolhido, que sinta que há um real interesse por parte do coach por sua história. Que nada é mais importante naquele momento do que o que está acontecendo entre eles.

Assim num processo de descobertas e mudanças, o coachee apoiado pelo coach, descobre seus próprios recursos o que lhe possibilitará mudar de dentro para fora, de acordo com seu mapa de mundo, suas crenças, valores e experiências. O coaching é um processo de aprendizagem em que mudamos nosso lugar de observador. Podemos ver as coisas importantes para nós de outro ângulo o que fará toda a diferença para a efetivação de transformações em si e em sua vida.

Estabelecida a conexão com o coachee, o coach deve ajudá-lo a explicitar, através de uma escuta ativa, qual é o seu estado atual. Uma vez que esteja claro quais são os aspectos que o cliente considera como importantes para que as coisas em sua vida estejam como estão, o coach poderá então definir, com ele, o estado a alcançar.

Essas metas ou meta devem ser mensuráveis e alcançáveis, senão o processo fatalmente desaguará em fracasso.

O coach deverá acompanhar e dar feedbacks constantes ao seu cliente de forma a apoiá-lo, mantê-lo focado em seu objetivo, e não o deixar sucumbir diante de alguma dificuldade que encontrar para realizar as tarefas com as quais se comprometeu ou qualquer outra situação.

O patrocínio positivo é uma das técnicas a serem efetivamente utilizadas pelo coach de forma sincera, para fortalecer as características positivas do cliente, leva-o para um estado mental positivo e receptivo, favorecendo para que ele contribua espontaneamente para o seu desenvolvimento.

A manutenção do foco é fundamental para o processo, o que vale tanto para o coach quanto para o coachee. O foco permite a ambos perceberem as conquistas do coachee, possíveis desvios de rumo e o devido realinhamento que deve ser feito, assim como, a concentração de energias no objetivo. O foco garante a ação com resultados.

No desenrolar do processo, o coach e o coachee fazem um pacto, em que ambos se comprometem a dar o melhor de si para o sucesso do processo. Podem acontecer fatos que colocam em questão o efetivo cumprimento desse acordo, ao que o coach sempre atentará e o que deverá ser objeto de intervenção para que mude ou até se interrompa o processo.

A cada sessão o coach deverá avaliar e planejar qual (ais) ferramentas irá utilizar naquele dia de acordo coma necessidade e momento do coachee.

É importante para o coach que prepare a sessão seguinte com base em suas anotações sobre o cliente e suas leituras do material trazido por ele.  As ferramentas devem ser adequadas àquela sessão, o que não significa que o coach não possa mudá-lo. Podem acontecer coisas com o coachee ao longo da semana que exijam que os planos sejam mudados.

O coach acompanha seu cliente dando suporte, fazendo perguntas e interagindo com ele através das ferramentas e do seu progresso, o apoio é dado como suporte para as escolhas, ações do cliente e um feedback sincero e positivo.

Nesse ponto, destacamos a importância da escuta do coach, sua flexibilidade e formação para um atendimento de qualidade. O coach deve usar dos meios que tem para fazer uma leitura mais profunda do seu cochee de maneira que sua tônica e condução do processo proporcionem o melhor ao seu cliente. Esse melhor se traduz em resultados, em mudanças pessoais e situacionais.

O próximo passo na sessão é que o coach convide o coachee a uma reflexão sobre o que aprendeu naquele dia, naquele encontro, o que significou para ele.  Esse feedback ajuda ao coachee a perceber as mudanças que vem processando e seus resultados, o que o motiva a continuar e reforça sua capacidade de realização, além de sua autoestima. Pode acontecer que o cliente não veja nada de positivo na sessão. O coach deve então ressignificar a sua resposta, buscar encontrar o lado positivo de sua experiência. A ressignificação é um caminho para ajudar ao cliente a ver o que as experiências que considera negativas em sua vida, agregaram ao que ele se tornou hoje, avaliado com foco no que há de positivo e na sua leitura da experiência a partir de sua representação atual dos fatos.

E, finalmente, a definição de tarefas para que através da ação, o coachee vá construindo o caminho para chegar ao resultado que deseja. Ele deverá desenvolver ações especificas e focar em sua realização. O coach faz um combinado com seu cliente para que possa acompanhar de perto a realização das tarefas.

Chega a hora da desconexão. Nesse momento, o coach e coachee se despedem, se desconectando um do outro e da situação.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Resultados: A diferença que faz aquilo no que acreditamos

Resultados: A diferença que faz aquilo no que acreditamos

Resultados: A diferença que faz aquilo em que acreditamos

Glória Lambertucci

04/2016

 

A vida é rosa!  O trabalho é uma guerra!  O casamento é uma prisão! A vida tem que ser dura para se dar valor as coisas!  Amar é sofrer!    Eu não nasci para ganhar dinheiro!  Homem que é homem não chora! …e por aí vão um monte de formas de se dizer no que se acredita, ao que damos valor, nossas crenças.

As crenças   influenciam de forma direta e determinante a vida das pessoas. Crenças são princípios de ação.

Se você quer saber no que uma pessoa acredita, observe o que ela faz, não o       que ela diz. Formamos nossas crenças como resultados de nossas experiências, o que as torna nossas verdades.  Sob certo sentido, elas se tornam profecias autorrealizáveis, das quais não se tem consciência.

Se você acreditar que é uma pessoa agradável, você agirá dessa forma. As pessoas com quem nos relacionamos, confirmarão a nossa crença.  Quando o mundo as confirma, então isso faz sentido para nós, é previsível e nos promove um sentido de segurança e certeza.  O mesmo acontece quando você acredita que é uma pessoa de sucesso. As suas ações, a sua percepção de mundo, sempre convergirão no sentido de confirmar a sua crença. As pessoas a verão dessa forma.

Se você está satisfeito com os resultados que obtém, então continua agindo da mesma maneira e mantenha as suas crenças.

Mas e se esse não é o caso? E se a pessoa sempre obter o contrário do que deseja?

Pode significar que alguma crença que ela tem a está impedindo.   Crenças podem e devem mudar, isso significa que podemos trabalhar as nossas crenças.

As crenças são formadas por experiências, e, igualmente, as experiências são o resultado de crenças, assim sendo, de acordo com suas consequências passamos a acreditar em certas coisas que, no futuro, jogarão contra nós mesmos. Você pode ter novas experiências que resinifiquem suas experiências anteriores, e consequentemente, transformará as crenças que te atrapalham em crenças fortalecedoras.

Na verdade, nossas crenças tem uma intenção positiva, ou seja, nosso inconsciente nos impele a nos comportar de forma a nos proteger e favorecer.

O que podemos fazer é encontrar outra forma de agir que satisfaça a intenção positiva daquele comportamento inadequado.

Assim, se estamos frustrados e infelizes com nossos resultados na vida, podemos buscar caminhos para construir outra forma de perceber a nós mesmos e ao mundo. Aprender novos comportamentos que nos permitam ser e obter os objetivos que desejamos.

Um dos caminhos para isso é o coaching, processo no qual você as identifica e as modifica de forma a que trabalhem a seu favor.

 

 

 

 

 

A felicidade e o presente

A felicidade e o presente

Você já pensou no que te faz feliz? Será conseguir realizar um sonho? Encontrar alguém para amar e que te ame? Esquecer um amor fracassado? Comprar coisas que te farão ser mais bem visto socialmente? Fazer uma viagem? Enfim… o que te falta?

Bem, o que te falta é uma pergunta que traz em si um paradoxo. Podemos pensar no que te falta por que ainda não realizou, e podemos pensar no que te falta para realizar. Ou ainda o que é essa falta que te atormenta todo o tempo, falta que sempre te lembra da sua condição humana. Esta nunca será suprida. Nosso tempo é finito e a falta é o que nos faz caminhar, buscar, realizar.

Pensando no tempo, agimos como se tivéssemos certeza de que jamais morreremos. Jogamos nosso tempo fora. Não valorizamos nosso presente.

Só para ilustrar um pouco no que estou pensando, conto-lhes que, desde Taylor, que fracionou o trabalho em pequenas atividades e as cronometrou para otimizar a produção, nosso tempo é cada vez mais, menos nosso. O tempo é marcado pelo apito das fabricas, pelas necessidades dos negócios para os quais vendemos nossa força de trabalho. Perdemos o controle de nossas vidas. Perdemos o controle de nosso tempo.

Dessa maneira, o tempo está cada vez mais escasso para nos ocuparmos de nos mesmos. Além do que, tornou-se um pecado mortal, usá-lo com coisas que não são consideradas como produtivas numa sociedade capitalista.

A maioria de nós, está focado no futuro e sonhando com o dia em que conseguir uma casa nova, um amor, uma conta polpuda, passar no concurso do tribunal, pois, aí sim, você pensa que será feliz.

Já pensou que isso é uma ficção?  Já pensou que está se enganando? Sabe por que?

Nada disso te pertence. O futuro você não pode prever. O fato é que a maneira como   estás caminhando para esse futuro que você acredita que será o melhor, está tendo um preço muito alto. O preço é o seu presente, a sua vida.  A possibilidade de viver essa felicidade hoje mesmo.

Então vejamos.

Do que você precisa? Hoje, agora?

O que você sente? Como estão as suas relações? Seu lazer? Sua satisfação com seu trabalho? Voce está vivendo de acordo com aquilo que te faz bem? Voce se sente bem? Voce ama? É amado/amada? 

Pois é, caros leitores.

O único tempo que está à nossa disposição é o presente.

Se nosso olhar está focado em outro tempo, um tempo que será, o que veremos do que está a nossa disposição para que possamos viver o melhor em nossas vidas, agora? Mesmo o futuro só será melhor se, hoje, vivermos o nosso melhor, com saúde, amor, motivação, alegria e consciência.

Fique atento ao seu dia -a- dia. Observe-se!

Quando você toma o café da manhã, o que? Voce não toma café da manhã? Voce gosta de tomar o café da manhã? O que você pode fazer, hoje, para ter esse prazer na sua vida?  O que manejará em seu tempo para se dar esse momento?

E os seus filhos? Qual é a idade deles? Voce não se lembra? Quando foi a última vez que esteve com eles? Brincou, saiu, riu, sentiu o seu amor?  O que você mudará nas suas prioridades para estar com eles? Vê-los crescer e participar desse tempo?

E o namoro? O casamento? Como vão? Voce não tem ninguém? Seu casamento está ruim? Já pensou nas razões? Te falta tempo para se divertir? Para estar com seu amor? Encontrar com amigos? Ir a um cinema? O que você faz para criar a possibilidade de conhecer alguém por quem possa se interessar?

Se você está dando desculpas para responder essas perguntas, atenção.

O tempo está passando e não volta mais. Sua felicidade está aqui, agora, nas pequenas coisas que você valoriza e promove na sua vida.

O que te falta é a falta que você se faz. Pense nisso!

Se precisar de ajuda, me procure.